quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Da maturidade.


Com a linguagem que lhe imortalizou, Machado de Assis escreveu o seguinte sobre a personagem Guiomar, do romance "A mão e a luva":

"Guiomar não tinha a experiência nem a idade da inglesa (Mrs. Oswald), que podia ser sua mãe; mas a experiência e a idade eram substituídas, como sabe o leitor, por um grande tino e sagacidade naturais. Há criaturas que chegam aos cinqüenta anos sem nunca passar dos quinze, tão símplices, tão cegas, tão verdes as compõe a natureza; para essas o crepúsculo é o prolongamento da aurora. Outras não; amadurecem na sazão das flores; vêm ao mundo com a ruga da reflexão no espírito, - embora, sem prejuízo do sentimento, que nelas vive e influi, mas não domina. Nestas o coração nasce enfreado; trota largo, vai a passo ou galopa, como coração que é, mas não dispara nunca, não se perde nem perde o cavaleiro". GRIFO NOSSO - "A mão e a luva". In: Obra completa, I, p. 237.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Ode aos ouvidos!

AU REVOIR SIMONE - "FALLEN SNOW"




TRAVIS - "SING"




JOHN LEGEND - "HEAVEN"



A publicidade, a imagem e a reflexão.

Bem sabemos que a publicidade nos dias atuais é de suma importância para o tipo de sociedade em que vivemos. A origem etimológica do vocábulo "propaganda" vem do latim "propagare", que significa multiplicar, por reprodução ou por geração, estender. Na atualidade, podemos definir propaganda como comunicação persuasiva, através de um conjunto de técnicas e atividades de informação, destinadas a influenciar as pessoas, as opiniões, os sentimentos e o comportamento do público.

Ao acessar diversos sites de Universidades brasileiras no Mundo "virtual", percebemos que na Grade de cursos ofertados: Marketing, Publicidade / Propaganda. Tornou-se forte à procura com o consequente crescimento no mercado, pois, a grande maioria das empresas dos diferentes setores e seguimentos utilizam a publicidade como forma de desenvolvimento e crescimento: Solidificando um conceito, tornando pública uma marca e buscando atrelar produtos com conceito de bem estar.

De tal maneira que percebemos que muitas empresas já nem se preocupam com produção, mas com a difusão do que é produzido. Uma verdadeira quebra de paradigma, onde o que antes era importante a indústria, hoje passa ser importante o mercado. A cultura contemporânea ocidental vem caracterizando-se pela efemeridade, pela primazia da circulação e divulgação do produto sobre a produção em si.

Através da Publicidade neste mundo onde literalmente se vende a ideia da felicidade atrelada ao consumo e onde busca-se "coisificar" valores, observamos produtos serem associados a determinada classe social e ao conceito de felicidade. E tudo se dá com a "HIPERVALORIZAÇÃO" DA IMAGEM. Muitas vezes não se consomem produtos, mas, imagens idealizadas.

Consome-se uma projeção de nós mesmos: Dos nossos anseios, vontades, desejos, intenções e daquilo que acreditamos.

Na obra "The Hidden persuaders" (Apud Vance Packard, p.45) observamos aquilo que já é notório: "Pessoas têm uma enorme lealdade a suas marcas de cigarro, muito embora em testes não consigam distinguí-la de outras marcas. Elas estão fumando completamente uma imagem." É a "canonização" através da imagem e de sons recortados de um modo de vida. Graças aos meios de comunicação de massa a imagem é um bem de consumo, tendo enorme valor econômico.

Vejamos baixo esta campanha do Pão de Acúcar ("O que faz você feliz!?")



Neste diapasão e toada, também existe um enorme preocupação com a utilização da publicidade no Mundo infantil. Cheguei inclusive, a postar neste pequeno espaço da "blogosfera" sobre isso mostrando trecho do filme de Estela Renner.
(http://poruminstante.blogspot.com/2010/01/prejudicial-publicidade-infantil.html).

Discutindo com admirado amigo (Marcelo) paulistano, hoje residindo no Chile com sua adorável esposa Macarena, chegamos em reflexões sobre a necessidade de intensificar debates contra a naturalização da sociedade de consumo - e a mídia é um grande agente deste vetor de hegemonização da consciência coletiva - criando espaços para esclarecer como o excesso de publicidade pode prejudicar nossos critérios e a soberania decisória; Como a publicidade infantil afeta direitos fundamentais da criança; Como o monopólio e oligopólio dos meios de comunicação afeta o exercício da democracia e cidadania, inclusive afetando a formação da identidade nacional/cultura nacional etc.

Pergunta-se: A associação automática involuntária de uma necessidade ou um desejo com uma marca, será correto? Ético? Há um limite para o quanto nossa psique pode ser invadida por MENSAGENS NÃO SOLICITADAS??

Marqueteiros inúmeros se unem com psicólogos para "fazer a cabeça" das crianças que estão indefesas vendo desenho animado sendo bombardeada por ¨Compre isso!! Isso é legal, Isso é bacana!!!"; "Chore que seu pai compra".

Caso (vídeo) clássico é o vídeo que discute o preconceito racial incutido de maneira indelével, "invisível" nas crianças norte-americanas..




Mas, bem sabemos que aproximar produtor e consumidor não é a única função da propaganda na sociedade. O Brasil está entre os 10(dez) países de maior maercado publicitário do Mundo.

A publicidade tenta nos comprometer com uma marca, atrelando esta com sentimentos agradáveis. Em recente campanha publicitária da Brastemp realizada através de 11 estações de rádio de São Paulo percebemos o poder dos meios de comunicação e a força daquilo que venho explicitando neste pequeno artigo. As rádios transmitiram simultaneamente o "spot" nominado "Sorriso", onde convidaram motoristas a sorrir para outros motoristas no trânsito. O resultado: Sorrisos estimulantes, "quebras de armaduras" nos volantes e a produção de endorfinas, neurotransmissores que produzem a sensação de bem-estar e relaxamento. Sem dúvida, uma ótima ideia para solidificar a marca e demonstrar que a propaganda pode mudar muitas posturas: Positivamente ou de forma negativa.




Em campanha publicitária denominada "Disconnect to connect" uma empresa de telefonia móvel japonesa apontou de forma inteligente e até tocante da necessidade de "estar presente" e conectar-se ao mundo em sua volta.



Este pequeno artigo serve para "mote" de vários outros.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Fazer macarrão!

Quando estou em casa sem nada fazer e na hora do descanso, de bobeira... Inevitável não "zapear" os canais da Tv por assinatura e assistir partes de programas televisivos inusitados. Gosto disso. Mudar canais para fazer um "apanhado" daquilo que está passando na TV. É um passatempo interessante. E invariavelmente acabao por "cair" em documentários sobre animais e canais de televendas onde os apresentadores são "doentes" de simpáticos! É uma simpatia tão "up"e "over" que beira ao risível na maioria das vezes... Enfim, por algumas vezes já me deparei em apresentadores vendendo uma "super máquina" de fazer macarrão que até cheguei a pensar na possibilidade de comprar com intuito de conversar com a namorada, familiares e amigos na cozinha enquanto a massa estaria sendo preparada..

Pois bem, matutando e maturando esta ideia, pensando na possibilidade de comprar uma "super, master, bluster, plus, high, mega power, dinamic máquina de fazer macarrão" acabei por desistir e demolir tal possível atitude, quando ao acessar a rede mundial da WEB e Blogosfera, encontrei este vídeo onde o sujeito em movimentos rápidos e que perecem fáceis... Acaba por criar e fazer diversas tiras de macarrão da melhor espécie e tipo. Algo sensacional de ver! Dá até para cansar!

Mas, macarrão sempre é uma ótima solução em determinadas horas.

vejam o vídeo "achado"no site UOL.




quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Desenvolvimento x Patrimônio Histórico

Como diria Caetano Veloso na conhecida canção "SAMPA":


"Da força da grana que ergue e destrói coisas belas..!"



terça-feira, 9 de novembro de 2010

domingo, 7 de novembro de 2010

Ode aos ouvidos e ao esqueleto!

RUN ON - MOBY



SUPERSTYLING - GROOVE ARMADA



quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Passando a limpo as eleições...



Encerradas as eleições presidenciais 2010, nesta segunda-feira, o resultado da eleição presidencial foi o seguinte: Dilma Rousseff (PT) obteve 55.725.529 votos válidos (56%) e José Serra 43.711.388 votos (44%). 2.452.597 eleitores (2,3 %) votaram em branco e 4.689.428 (4,4 %) nulo. A abstenção ficou em 21,5%, o que corresponde a 29.197.152 eleitores. Ou seja, “nunca na história desse país” se viu tanta gente inconformada e rejeitando votar nos dois candidatos e projetos que ficaram para a disputa no segundo turno de votação.

Agora ficam ou começam as perguntas:

• Como a Presidente eleita Dilma se sairá nas constantes e obrigatórias negociações com o Congresso Nacional?

• Como será o relacionamento com os “ilustres” parceiros do PMDB do vice Michel Temer?

• Como se dará a relação com os outros “ilustres” políticos dos partidos apoiadores, cheio de políticos fisiológicos, de insaciável gula por cargos públicos e sempre de olho nas vantagens que eles podem proporcionar?

• Como se dará o relacionamento entre a selva de alas que é o PT e os outros partidos políticos apoiadores (PRB / PDT / PMDB / PTN / PSC / PR / PTC / PSB / PC do B)?

• Dilma nunca se alinhou a qualquer das correntes petistas, conforme podemos constatar ao longo da história. Como os petistas irão participar do Governo?

• Como se dará a interferência de José Dirceu no Governo?

• E como se darão as reformas: Política, tributária e Trabalhista de forma que possa agradar Sindicalistas, Banqueiros (abençoados no Governo Lula), empresariado, Partidos políticos venais e classe média?

• E a Política Externa? Continuará a sandice com Irã e Venezuela?

MOSAICO DO "NADA SEI" OU "NADA VI"

Do senso de Humor que encontramos na internet.

Tirinhas bem humoradas e reflexivas